Posts Tagged ‘sade’

Essas novelas maravilhosas e suas trilhas sonoras matadoras – Vale Tudo (1988)

29/06/2011

Considerada um marco na televisão brasileira, esta obra do mestre Gilberto Braga é inesquecível. Com todas as tramas paralelas bem relacionadas e sua atmosfera suburbana – característica do autor – Vale Tudo ficou marcada, entre outras coisas, por ter sido a primeira novela em que o vilão (Marco Aurélio, muito bem interpretado pelo Reginaldo Faria, diga-se de passagem) se dá bem no final. Quem aqui não lembra dele fugindo impunemente com milhões de dólares na maleta e fazendo sinal de “banana” pro país?

Acho que é daí que vem o grande mérito de Vale Tudo: o fato de ter sido uma das poucas novelas que conseguiram trazer para a telinha a discussão sobre honestidade sem cair no politicamente correto. Do contrário, Marco Aurélio seria preso ou ficaria louco (este tem sido o fim preferido dos autores recentes para seus vilões), mas jamais fugiria numa boa e debochando. Outro fato que fez a novela ser assunto em rodas de discussão foi a resposta à pergunta “Quem matou Odete Roitmann?”. O suspense, descobri hoje, durou apenas 13 dias, mas na minha memória foi muito mais.

A trama principal de Vale Tudo girava em torno de Maria de Fátima, moça ambiciosa do interior, que vende a casa que mora com a mãe sem que ela saiba, e vai tentar a vida no Rio de Janeiro sozinha. Por outro lado, a mãe, humilde e gentil, que ganha a vida de forma honesta, fica rica de repente com a venda de sanduíches na praia, que vem a formar a empresa Paladar. Sobre isso, uma curiosidade: na época em que fazia minha monografia, eu pesquisei muito sobre as novelas enquanto produto da cultura brasileira, e uma das coisas que descobri é que em Cuba eles são loucos por novelas. E foi por causa delas que eles incorporaram o termo Paladar no vocabulário cubano. Para eles, Paladar é o nome que dão aos restaurantes particulares, que não pertecem ao governo. Existem regras para que não seja considerado restaurante, mas, em geral, parece que lá é muito comum as pessoas abrirem as portas de suas casas  para servir refeições a turistas e, com isso, complementar renda.

Mas, voltando… Maria de Fátima era vivida pela Gloria Pires, que ganhou minha antipatia na infância de tão má que era. Mas ela não brilhava sozinha, porque o elenco todo era bom. Vou te contar, não se fazem mais elencos como aquele! Até Lídia Brondi fez parte, formando um par romântico muito fofo (e sofrido) com Cassio Gabus Mendes.

E, sem querer me estender muito, vou dizer que é impossível falar de Vale Tudo sem parecer muito muito rasa, pois em um texto simples assim não vou conseguir dar a Heleninha Roitmann (Renata Sorrah) o número de linhas que ela merece. Aliás, essa é uma personagem marcante, que deve estar entre as top 10 das novelas brasileiras. Ainda hoje o nome Heleninha serve de alcunha para mocinhas que bebem além da conta. Ou não é?

A trilha sonora nacional começa com a clássica Brasil, da Gal Costa, tema de abertura da novela (que ganhou aquela versão literal pelo gênio Leo Prestes) e que marcou época. É um disco de grandes medalhões, como Maria Bethânia cantando Tá Combinado e João Bosco com Terra Dourada. Como não escondo minha preferência pelo pop rock, destaco Pense e Dance, do Barão Vermelho, com uma batida dançante e guitarra forte no refão. Outro destaque do lado A é A Sombra da Partida, do Ritchie, com sua voz de QUERUBIM (ns).

O lado B começa com É, do Gonzaguinha, que é o complemento da música da Gal que abre o lado A. Indignação com pandeiro ao fundo. A próxima faixa é do mestre Nico Rezende, Penso Nisso Amanhã. Ele é o rei das melodias fatais, que dom tem esse cara. A clássica Isto Aqui é o Que é, na voz do Caetano Veloso, também foi um ponto alto da trilha. E encerro a minha lista de destaques com Cazuza e a balada Faz Parte do Meu Show, uma das melhores letras dele.

A trilha internacional chega rasgando com Father Figure, do George Michael, esse clássico do álbum Faith. Hit obrigatório em qualquer coleção. A sequência com Where Do Broken Hearts Go, da Whitney Houston, também não ajuda muito o coração a se recuperar. Belinda Carlisle, no auge da carreira, vem com I Get Weak, uma balada muito oitentista (leia-se: perfeita). A música que fecha o lado A dispensa apresentações: Baby Can I Hold You, da Tracy Chapman. A voz dessa mulher é algo impressionante, impossível não amar.

A escolha para abrir o lado B foi muito feliz: Silent Morning, do Noel. Um dance com aquele sintetizador safado que só uma trilha sonora de 1988 poderia trazer. Esse lado é bem mais fraco que o anterior, por isso fecho ressaltando Paradise, da Sade, com aquele groove sensual que ela sempre fez muito bem.

Anúncios

Essas novelas maravilhosas e suas trilhas sonoras matadoras – Selva de Pedra (1986)

03/08/2010

A Selva de Pedra de 1986 foi um remake da versão original de 1972 e, dizem, foi uma das maiores audiências da época. E, pesquisando no Google, achei vários saudosos por aí, pedindo remake ou um Vale a Pena Ver de Novo. O que, ainda bem, a Globo não faz. Porque, convenhamos, ia ser um saco assistir a uma novela de 25 anos atrás, né? Além disso, a memória sempre superestima a realidade. Então, deixemos assim.

Quando meu editor me deu esta pauta, sabia que precisava escrever algo relevante sobre a novela. Só que, vocês sabem, eu era uma criança na época e tinha muitas outras brincadeiras divertidas para inventar ao invés de ficar grudada na frente da TV. Então, sem relevância e sendo sincera, tudo que eu sei sobre a novela:
– me lembro de uma cena da Tássia Camargo tendo uma discussão com um homem, que não me lembro quem, em uma sala  de jantar decorada de acordo com a época. E a Tássia vestia branco.
– a novela foi escrita por Janete Clair, que, aliás, merece todo meu respeito.
– tinha a música Perigo, da Zizi Possi, na trilha sonora. Mas isso, é assunto para o EGS.

A trilha sonora nacional de Selva de Pedra começa aniquilando todo o Sistema Solar: Perigo, da Zizi Possi, é uma balada excelente. A introdução já me despedaça a alma, com o verso Nem quero saber, se o clima é pra romance eu vou deixar correr. Outro destaque é Tudo Bem, do Lulu Santos. O maior guitarrista brasileiro mostra que também é o rei das melodias com essa canção, que também começa com versos definitivos: Já não tenho dedos pra contar de quantos barrancos despenquei/E quantas pedras me atiraram, ou quantas atirei/Tanta farpa, tanta mentira/Tanta falta do que dizer, nem sempre é SO EASY SE VIVER.

Uma música da Blitz que não é muito comentada é Malandro Agulha, que também faz parte da trilha. Lembro muito de cantar o refrão quando era piá, para que alguém estivesse ESCORREGANDO NA MALANDRAGEM (pior gíria): Malandro agulha, ponto cem, ponto cem. E com essa citação, encerro a análise da trilha nacional da novela, para o bem de todos.

A trilha sonora internacional é poderosa, abrindo os trabalhos com I’ll Never Be (Maria Magdalena) da Sandra, um dos expoentes do finado ITALO DISCO. A faixa seguinte é a monstruosa Broken Wings do Mr. Mister (sério candidato a nome de banda mais infame de todos os tempos). Mais uma daquelas baladas que provam que não se faz mais música assim hoje em dia.

The Sweetest Taboo da Sade é outro destaque, com aquela suavidade que só ela tem ao cantar. West End Girls do Pet Shop Boys dispensa maiores comentários. Marco do dance oitentista, com um climão pegado no começo e batida clássica. O lado B começa com uma santíssima trindade: In Between Days do Cure, Nikita do Elton John e Duel do Propaganda. O que dizer, a não ser que essa trilha é uma aula de boa música?

Essas novelas maravilhosas e suas trilhas sonoras matadoras – Ti ti ti (1985/1986)

29/07/2010

Já que o EGS me chamou de especialista, vou ter que, pelo menos, tentar me comportar como tal. Mas aviso: o mais próximo que cheguei disso foi quando fiz minha monografia sobre novelas. Foi super divertido, mas o resultado é irrelevante para o resto do mundo. E já faz alguns anos, então, não muda muito.

Hoje o assunto é Ti ti ti, novela que passou na mesma época em que Roque Santeiro, e da qual me lembro vagamente. Confesso que tive que recorrer ao oráculo para me relembrar da trama original. Porque, se me perguntassem, de cara eu ia dizer que tudo que me vinha à mente era Victor Valentin e o batom Boka Loka, que eu queria muito, mas não tinha idade para me maquiar (agora, talvez eu possa ter um, já que rolam burburinhos por aí de que o produto será relançado). Minha rápida pesquisa ajudou, ainda mais depois que resolvi fazer o tema de casa e assistir ao remake que está sendo exibido pela Globo.

A novela mudou, sem dúvida, até porque precisava se atualizar desde sua estreia há 25 anos, e também porque foi misturada à trama de Plumas e Paetês (esta eu não vi, obviamente), além de trazer de volta personagens de sucesso de outras novelas, como o Mario Fofoca, por exemplo. De qualquer maneira, os personagens parecem fieis, mas tudo é mais exagerado. O antigo Victor Valentin, vivido por Luís Gustavo, era muito mais excêntrico do que promete ser Murílo Benício, mas, em compensação, o atual tem um perfil bem mais cômico do que o original. Já Reginaldo Farias, o Jacques Leclair da primeira versão, era bem mais tradicional do que Alexandre Borges no remake.

Mesmo assim, acredito que há chances de ser uma boa novela, hilária como pede o horário das 19h. Porém, eu sempre levo um pouco de medo quando tem a mão do Jorge Fernando, porque, embora eu goste dele, acho que o excesso de barracos, típico das produções dele, tende a cansar o público.

A trilha sonora ainda não foi divulgada, mas dizem por aí – e como se vê na abertura e nas chamadas – que algumas músicas antigas farão parte da nova trilha.

A trilha nacional de Ti ti ti já começa com o tema de abertura, da banda Metrô. Como todo new brasileiro da época, a música é tosca demais. Vale como registro histórico e só. A coisa começa a mudar de figura com Não Diga Nada, do Prêntice (pior nome DE TRABALHO). Na verdade, só fui lembrar da música quando ouvi a trilha e me dei conta que já conhecia, mas numa versão cantada pelo RODRIGO FARO (eterno). Bela canção.

Lobo do Absyntho é outra música new wave, mas é bem melhor do que o tema da novela, ao menos. Troca-troca dos Fevers é outra que esbanja anos 80 a cada nota. Nada Por Mim da Marina é um clássico conhecido por todos, nem que seja na versão original dos Paralamas do Sucesso. O lado B é mais fraco, por isso não destacarei nada. Vamos para a outra trilha, pois.

A trilha internacional começa demolindo o universo, com Lover Why do Century. A prova de que essa música é excelente é o fato de ela estar na coletânea LOVE METAL. Desconheço praticamente todas as bandas dessa trilha, por isso me aterei às que são confirmadas. Hot Shot do Jimmy Cliff é uma aula de sintetizadores e bateria eletrônica, com aquele clima caribenho safado de fundo.  Sade é garantia de MAKE OUT SONG e Hang On to Your Love não é diferente. Rola aquela linha de baixo hipnótica e a guitarrinha marota de sempre.

Does Anybody Know Me do Lipps Inc. (a banda de Funky Town da trilha de Shrek 2, para quem não conhece) é um som disco tradicional, parece até meio deslocada, aqui. Mas é uma boa música, que empolga. E esses são os pontos altos da trilha. Não são muitos, eu sei, mas as próximas trilhas serão cobertas de destaques. AGUARDEM.