Essas novelas maravilhosas e suas trilhas sonoras matadoras – Mandala (1987/1988)

Eu gostava de Mandala, mas acho que não vi inteira. Lembro dela, especialmente por causa do romance entre Vera Fischer (a Jocasta “madura”) e Felipe Camargo (o filho Édipo) na vida real. Foram anos de páginas em revistas de fofoca. Ainda assim, nunca me esqueci da cena do roubo do bebê no hospital por uma enfermeira loira. Poderia, inclusive, descrever o quarto e o figurino da Giulia Gam (a Jocasta jovem) no momento.

Hoje, pensando, fico pasma de ter visto ir ao ar uma trama cujo tema central era o incestuoso relacionamento entre mãe e filho. Como todos sabem, Mandala adpatou ao Rio de Janeiro o mito de Édipo, e, apesar de personagens condizentes com a realidade brasileira, esqueceu de um detalhe: os nomes. Quer dizer, foi proposital, mas, tipo assim, não foi legal. Alguém conhece alguma Jocasta por aí? Laio? Creonte? Podia ter mudado os nomes também, né?

Mas, voltando à trama, além do incesto, o Laio, pai do Édipo, era também bissexual e bicheiro. A Jocasta era filha de um comunista que tinha problemas com o governo e a polícia, situação ainda muito recente em um Brasil pós-ditadura militar. Obviamente não foi a versão original que foi ao ar. E a que foi ao ar jamais foi reprisada pela emissora. Porém, me impressiona mesmo assim.

E agora, depois de muito tempo sem escrever e fazendo o Egs perder as esperanças de continuar esta série, passo a bola pra ele falar do que realmente importa: a trilha.

Confesso que nunca ouvi a trilha nacional de Mandala. E ao ler a lista de faixas, fiquei sem vontade alguma. As honrosas exceções são a presença do clássico tema da Jocasta, O Amor e o Poder, da Rosana, e Eu Já Sei, dos Garotos da Rua, uma música pra chorar compulsivamente.

Por mais contraditório que possa parecer, só essas duas músicas valem do disco todo, portanto a aquisição é altamente recomendada.

Já a trilha internacional é um petardo do início ao fim. A dobradinha A Matter Of Feeling do Duran Duran e Didn’t We Almost Have It All da Whitney Houston arrasa qualquer coração. A presença de With Or Without You do U2 também não ajuda muito. E, como se não fosse suficiente, a definitiva Nothing’s Gonna Change My Love For You do Glenn Medeiros cimenta qualquer tentativa de seguir vivendo.

O lado B começa com a formidável Luka da Suzanne Vega e segue com Never Say Goodbye do Bon Jovi. Não há muito a dissertar sobre isso, apenas agradecer aos ceús. Para encerrar por cima, a excelente I Think We’re Alone Now da Tiffany faz lembrar do tempo em que comprar trilha sonora de novela era o auge da existência.

About these ads

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: